terça-feira, 11 de janeiro de 2011

FELIZES PARA SEMPRE

Por: Monica Blue

Nem mesmo sonhos duram para sempre, quanto mais um casamento. As pessoas continuam a acreditar que a continuação de algo é felicidade, mas nem sempre.
Cresci lendo e acreditando que a Cinderela casou com o Príncipe e foi feliz para sempre, o mesmo para Branca de neve e para a Bela Adormecida que despertou todo seu reino com apenas um beijo de amor. Sapos que viram príncipes, amores que duram para sempre.
Para sempre.
Palavra pesada, uma vez que somos mutáveis, hoje queremos algo e amanhã outra coisa já nos atrai, não falo de traição, falo de sonhos.
Ninguém diz que o “felizes para sempre” continua quando você tem que trabalhar, cuidar de filhos barulhentos, hiperativos que chamam a cada minuto por você, que o vizinho reclama se aumenta o volume do som, se você está com dor de cabeça, se você não é a fame fatale, se você hoje não está a fim de arrumar nada, quer simplesmente pegar uma comédia romântica e sentar no sofá assistir e ri da desgraça alheia e esquecer da sua prórpria.
O amor não é um pacote que vem pronto, mas também não acredito nessa historinha que é uma plantinha que vai crescendo dia a dia, isso pra mim tem outro nome. Ou você ama ou não ama. O amor pode virar ódio. Mas o contrário ainda não presenciei. Ele não cresce com o tempo, com o convívio. Prefiro chamar isso de comodismo, de medo de perder algo que desde que mundo é mundo é sinal de perfeição, um casal perfeito! Felizes para sempre.
O casamento errado não tem felizes para sempre, não tem continuação exata. É uma soma de dias que vão se acumulando. Frustrações que vão sendo guardada em corações solitários. Sem compartilhar, apenas estão ali, um pelo outro, preservando algo que nem acontece de verdade, é apenas um “feliz para sempre” da porta de casa para fora. Por dentro da pessoa a história é outra, felicidade é palavra sem descrição.
Os sonhos já eram, se é que um dia existiram. Para muitos isso se estende anos e anos, quando olha-se para os filhos é melhor deixar passar o tempo, eles crescerem para poderem entender que os pais não são perfeitos e que não nasceram um para o outro, que se perderam em um caminho e não souberam como sair dele sem várias pessoas machucadas.
Machucar. Será que machucar-se dia a dia, morrer um pouco, privar-se da liberdade, da vontade de viver não é simplesmente um momento de auto martírio? Obrigar-se a dar prazer para outrem sem pensar em si. Perceber como cinco minutos algumas vezes podem parecer horas infindáveis?
No “felizes para sempre” não há passeios de mãos dadas, um vai sempre na frente e o outro segue, como duas pessoas desconhecidas que vão para o mesmo caminho. Não há tempo para sentar em um banco da praça e olhar juntos para o céu e dar nome às estrelas. Olhar como a lua está bela e iluminando tudo com sua luz prateada.
Ninguém conta que a Cinderela ficou frustrada com as traições do Príncipe. Que isso a magoara eternamente, aquele amor simplesmente transformou-se em viver junto. O felizes virou apenas para sempre.
Quando o homem está exausto do “felizes para sempre” ele dá um jeito, demora mais no trabalho, vai tomar algo com algum amigo do escritório, ou amiga, ou quem sabe estagiária ou aluna. Vive um momento “feliz enquanto dure” como diria Vinicius de Moraes e volta para casa como se nada tivesse acontecido, toma um demorado banho, não para limpar-se da culpa por ter deixado a princesa adormecida ou atarefada demais para perceber que ele estava assobiando depois de tanto tempo. Mas, para relaxar e começar novamente a viver no seu castelo fingindo que continua feliz. Com beijo no rosto, abraços frios e olhares não mais cúmplices. Apenas vidrilhos sem chama.
Depois de tanto tempo eu percebo que não existem finais felizes, existem finais que são eternos enquando durem (citando novamente Vinícius). O amor é como uma topada ou se sente na hora latejar, doer, fazer todo sangue do seu corpo ir para um único lugar e sua cabeça querer explodir, ou simplesmente não acontece.
Não quero que pensem que estou generalizando. Existem casais felizes, que após cinquenta anos de casados ainda contemplam pequenos momentos juntos, como o simples ato de ver o pôr do sol juntos, ou uma caminhada, um café da manhã. Eu conheço e digo que é de verdade!
Existem casamentos e casamentos, “felizes para sempre” e “felizes para sempre”.
O que quero deixar registrado aqui é que nada é perfeito e que nada dura para sempre. A não ser que realmente seja algo único e verdadeiro. O que é apenas ilusão se desmancha com a mesmisse do comum. E então como diria Renato Russo “ e o para sempre, sempre acaba.”
Algumas vezes é difícil perceber quando acaba, principalmente quando já se começou sem. Quando tudo que você teve foi uma história sonhada por outros, feliz para outros e modelo para os outros.
Acho que por isso demorei tanto para casar, meu apelido em família era “noiva em fuga” referente ao filme da Julia Robert que tenta casar diversas vezes e foge de todos. Esse rótulo “Felizes para sempre”, perturbou-me a vida toda. O mais ou menos me perturbava e se não existisse amor que pudesse durar para sempre e superar os sofrimentos e dores que vi meus pais passarem? E se quem eu escolhesse para ficar comigo não compreendesse minha independência, minha liberdade espiritual?
A gente erra, principalmente quando acreditamos em finais felizes, eles são utopia para que a população continue, que se mantenha o tradicionalismo do casamento e daquela coisa toda vinda de muito tempo atrás. Noiva que sorri, noivo que sua, e todos se divertem, comem, e no dia seguinte começa o “felizes para sempre” quando ele não encontra as meias que levou para a viagem ou pede o café da manhã errado na manhã seguinte.
Peraí, não sou contra casamento, nem finais felizes. Quero que fique claro. Acredito na Cinderela, na Branca de neve, na Bela Adormecida e na Fiona do Sherek, se bem que essa última está mais próxima da realidade.
Estar no mesmo lugar eternamente não significa que o amor permaneça ali, ou que já existiu um dia.
Viver feliz para sempre deve ser algo muito bem pensado porque os dias pesam, as responsabilidades pesam e você vai perdendo sua identidade com o tempo. Vai deixando de ser quem você era, de acreditar em quem você seria. É morrer um pouco a cada dia.
Não estou dizendo: “Fiquem solteiras que é melhor”, mas se tiver que casar só por casar, para ter uma super festa ou para prestar contas a uma sociedade totalmente hipócrita que faz com que a mulher seja fiel e o homem infiel como se isso fosse natural, melhor sim ficar solteira por conta própria. Deixem essa obrigação para as coitadas das mulheres do século dezoito que não tinham como escapar desse destino.
Amem quem queiram amar, mesmo que fuja dos padrões, mesmo que não seja um príncipe seja apenas um sapo, mesmo que seja tudo aquilo que ninguém quer pra você, mas ame, viva intensamente. Porque a vida é curta e não vale a pena se prender a papéis e burocracias que deixarão você escrava de comodismos e falsos sorrisos.
Já disseram que viver tem que ser mais do que simplesmente respirar e viver com alguém que não se ama com alma, é deixar de respirar um pouco a cada dia, até que os pulmões deixem de exercer sua função, ou o coração apodreça e deixe de bater.
Por medo de agir, deixamos de existir.
Por medo de tentar, deixamos de ser felizes.
O amor e a paixão andam de mãos dadas, nem estou falando de sexo, estou falando de curtir simples momentos da vida, um abraço, um beijo, um luar, uma viagem, um pôr do sol, uma canção em comum juntinhos, um filme que agrade ambos, uma fugida em uma noite de semana, um presente inesperado, um sorriso sincero de alegria por vê-lo ou vê-la chegar. Um bilhetinho deixado em algum lugar, uma foto especial, uma palavra no momento certo, ou ao menos tenmtar descobrir qual o motivo da tristeza em seus olhos.
Admirar a beleza dormindo ao seu lado, como um anjo cansado de lutar, cada perfeição, cada ruga, cada cílio, cada pedacinho, cada pelo que habita aquele corpo inerte no mundo dos sonhos. Aquele pedacinho do céu só seu, que você tem a certeza de que quando abrir os olhos olharará para você e sentirar-se feliz por você simplesmente existir e estar alí ao seu lado.
Felizes para sempre não é conto de fadas, é saber escolher a pessoa certa para amar, não se confundir com falsas ilusões, nem deixar-se impor condições ou pessoas a sua vida, mesmo você. Tentando evitar a solidão ou a pressão de ser a única solteira da turma. Antes assim do que infeliz por uma vida inteira.
O verdadeiro amor de almas é eterno, é único e é perfeito, só que poucos tem paciência para esperá-lo.
Sejam felizes. Mesmo que não seja para sempre.
Simplesmente sejam....
Felizes para Sempre!

Soneto do Amor Eterno

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes e com tal zelo, e sempre e tanto
que mesmo em face do maior encanto
dele se encante mais meu pensamento.
Quero vive-lo em cada vão momento
e em seu louvor hei de espalhar meu canto
e rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou ao seu contentamento.
E assim quando mais tarde me procure
quem sabe a morte, angustia de quem vive
quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
Vinicius de Moraes

Nenhum comentário: